O espírito Dinamarquês

 

Uma parte da minha família é Dinamarquesa (minha tia e meus primos) e, quando estávamos morando na Irlanda, em nosso intercâmbio, decidimos passar o Natal com eles. Como esperado, vivemos estes dias totalmente imersos nessa cultura riquíssima. É incrível a quantidade de informações que podemos absorver ao conhecer outros lugares e o quanto o nosso espírito se expande para dar espaço à essas novas experiências.

A Dinamarca é um país nórdico, com mais de 5 milhões de habitantes e conhecida pelos hábitos do seu povo, que está entre os mais felizes do mundo. O conceito de felicidade aqui é relacionado com a qualidade de vida, que é algo levado extremamente a sério por eles. A família e os amigos são prioridade; na hora das refeições, o costume é deixar os celulares de lado e focar-se na conversa, em realmente se interessar pela vida do outro.

Eles têm sabedoria ao aproveitar o tempo. Os momentos precisam ter qualidade; precisam significar e acrescentar algo na sua vida. A conexão com a natureza é essencial; quando estivemos lá, todos os dias no final da tarde íamos caminhar em uma floresta próximo à casa deles. Que lugar mágico! A comida, em sua grande maioria, é rica, altamente saudável e natural; as crianças aprendem desde cedo a se alimentar com saúde.

A cultura é outro fator que importa muito. Existem museus, parques e atrações super bem conservadas e todos curtem visitá-los com suas famílias. Praticamente todos eles possuem bicicletas e até existem equipamentos próprios para colocar as crianças, enquanto você as empurra. Para eles, a vida não se resume em TER, mas sim em SER. Em viver o seu tempo aqui no planeta Terra com plenitude, com saúde e felicidade.

A hospitalidade na qual fomos recebidos não tem explicação. Ok, eles são mais quietos do que nós, brasileiros, mas são de uma educação e simpatia sem igual. Faziam de tudo para nos agradar e tentavam não se mostrar tão assustados quando falávamos que o nosso trajeto casa-trabalho demorava em torno de 30/40 minutos (lembra do que falamos sobre qualidade do tempo?). Eles não ligam muito para o que você pensa deles, eles estão bem assim e é isso o que importa; não ligam muito para o modelo “fast” de viver a vida (fast fashion, fast food,etc); porque eles dão valor aos artesãos, cozinheiros locais, lojas locais e, acima de tudo, a nossa palavra amiga da vez, QUALIDADE. 

No Natal, todos em volta de uma mesa farta, passando os pratos de mão em mão, para que cada um se servisse com o que desejar. Todos conversando, em harmonia. Depois, todos nós nos dirigimos para a sala, onde estava a árvore de Natal; fizemos um círculo em volta dela e, de mãos dadas, todos cantaram canções típicas. Eu juro que, se fechar os olhos, eu consigo lembrar exatamente de como me senti naquele momento. Mesmo sem entender uma palavra, ficamos lá, ouvindo eles cantando, agradecendo, sorrindo e absorvemos toda a energia magnífica daquele momento. Na hora dos presentes, caos 😂; cada um vai olhando e pegando qualquer embalagem com o seu nome, abrindo e agradecendo, todos ao mesmo tempo! É uma desordem total, mas super engraçada. No dia seguinte, neve, trilhas, histórias de família e nós lá, sentindo que estávamos exatamente onde deveríamos estar!

Em um país com tanta natureza, hábitos saudáveis e liberdade, a essência só podia ser a FELICIDADE. Cada um ao seu modo, mas todos completos por terem uma vida tão cheia de significado. Com eles, aprendi a ver a vida com outros olhos, a dar mais valor para o aqui e agora, a aproveitar cada segundo e aprender com cada ação. A não colecionar tantas coisas, mas sim, guardar momentos e experiências. A buscar uma vida mais leve e saudável (física e psicologicamente). A me sentir feliz comigo mesma e ser grata pela família e amigos. Obrigada, Dinamarca!

Natália – Time Viajante Express

Veja também:

Somos feitos de estações

Como me conecto com a natureza em viagens

Você gostou? Compartilhe!

Deixe uma resposta